Voltei das minhas férias minúsculas no Algarve (hei-de tirar mais em Agosto ;)).

Estas férias foram muito iluminadoras.

Talvez não tenham sido as melhores férias do mundo mas serviram para perceber muitas coisas que aceito na minha vida e que não têm nada a ver com o que quero.

Serviram para perceber que posso ter muitas ideias, mas quando alguém me diz que não (mesmo que seja só uma vez), começo logo a desistir.

A desistir de mim e do que quero fazer. Do que é importante para mim. Começo a abandonar-me. É tão fácil desistir de mim.

É duro perceber isto, mas mesmo assim fico feliz porque sem estar consciente, não posso mudar. E agora que percebi, já não há maneira de voltar atrás.

Ao mesmo tempo, nestas férias já mudei. Fiz algumas coisas à minha maneira. Não sem bastantes hesitações e dúvidas. Mas, por exemplo, acabei por alugar uma casa no sitio exato que queria e foi a parte que correu melhor.

Quando fiz o que me apetecia mais fazer, quando segui a minha intuição, foi quando me diverti mais e quando tudo correu bem.

Quando fiz aquilo que não queria fazer, quando me abandonei mais uma vez, quando não segui para a frente com as minhas ideias, foi quando me custou mais.

Mas acho que é um avanço, estar consciente de que me abandonei, e não deixar mais os meus sentimentos passarem em claro. Sem os ouvir e sem perceber que me estão a dar uma mensagem clara do que é certo ou errado para mim. Com essa informação posso mudar as coisas e criar uma vida que tem a ver comigo, com as minhas necessidades e desejos.

Não é fácil sentirmos os nossos sentimentos. Especialmente quando são sobre coisas que não podemos mudar. E desistirmos de tentar mudar o que sabemos que é verdade e simplesmente, aceitar.

Porque há estes dois lados da moeda:

Por um lado aceitar tudo, deixar ir tudo, renderes-te a tudo o que está a acontecer no momento. E seres grata por tudo o que tens. Por outro, agires para mudar o que é possível e criares uma vida (ou férias) que adoras.

Agora tenho estado a tentar aceitar tudo e apesar de custar, também me ajuda a ultrapassar tudo. Porque depois de sentidos os sentimentos, saímos do outro lado mais fortes.

Sobre isso, aqui fica esta frase que ouvi na séria Anne with an E (do Netflix – é a série da Anne of Green Gables):

“No entanto, seria o teu dever aguentar, se não o podes evitar: é fraco e absurdo dizeres que não consegues aguentar o que estás destinada a ter que aguentar.” – Jane Eyre

(versão original: “Yet, it would be your duty to bear it, if you could not avoid it: it is weak and silly to say you cannot bear what it is your fate to be required to bear”)

Concluindo, no meio da praia, banhos, jogos, tive algumas lições de vida mais chatas mas por outro lado, importantes ;)

E agora tenho mais certeza do que quero e não quero, nas minhas próximas férias!

Como Teres as Férias Ideais para Ti

Para recapitular:

Ouve (e sente) os teus sentimentos e percebe o que te querem dizer: o que te deixa feliz e o que não gostas mesmo. E vai mudando as coisas para teres mais do que te faz feliz e menos do que não gostas.

Por outro lado, aceita e fica grata por tudo o que não podes mudar agora (ou nunca).

Espero que tenhas umas boas férias!
Beijinhos,
Lena*

Capítulo Gratuito

Recebe o capítulo gratuito "10 Regras de Styling para Criar Conjuntos Espetaculares" do meu e-book de estilo

Powered by ConvertKit
Author

Write A Comment