Hoje queria-te falar de decisões.

Estava a apanhar sol no meu jardim, que fica super apetitoso nesta altura do ano, quando percebi que não tomo decisões importantes. Que fico no limbo, naquele sitio em que não decido. E percebi que claro que estou a decidir. Estou a decidir não decidir, e por isso ficar no limbo. E deixar a minha vida correr ao sabor do vento.

Há uma coach que sigo que diz: “As pessoas perguntam-me como é que tenho esta vida. E eu respondo que fui eu que a criei.”

Acho que temos duas hipóteses: deixar andar e deixar a vida correr e as coisas acontecerem sem darmos o nosso input, sem arriscarmos nada, sem tomarmos decisões.

Ou então decidir o que queremos, arriscar um pouco mais, ter um pouco mais coragem.

Acho que o que me falta muitas vezes é coragem. Coragem de lidar com as consequências das minhas decisões…

E se corre mal? E se não era nada disto que devia decidir? E se o que eu decido é exatamente o oposto do que eu devia fazer?

Mas quando pensei em tomar decisões na minha vida senti uma coisa diferente – em vez de medo, que é o que sinto quando estou indecisa, senti confiança.

Senti uma nova esperança também.

E senti que ia fazer as coisas acontecerem em vez de ficar à espera.

Também percebi uma outra coisa no jardim. 

É que ao não tomar decisões, não só deixo as coisas andarem como não invisto a sério na situação em que estou.

Porque como não tomei uma decisão, e não estou muito satisfeita com o sitio onde estou, deixo-me estar na situação mais tempo e sem a melhorar.

Por exemplo com a minha casa, que é o exemplo mais fácil:

Não decidi sair de Alcochete nem ficar. Como não fico, não invisto nesta casa. Não a melhoro, nem mudo. Porque não vale a pena, já que se calhar vou sair.

Por outro lado, também não vou para Lisboa para outra casa em que podia investir mais, porque não decido.

Ou seja, a situação em que estou e em que decidi estar, já que não tomei uma decisão contrária, simplesmente não melhora. 

E também não me dedico a sério a nada.

Uma boa pergunta de journaling agora era: Do que é que isto me protege? 

Porque fazemos tudo por alguma razão. Por isso não me dedico a sério a nada por alguma razão. E essa razão é que o nosso cérebro quer sempre proteger-nos. Quer dizer que não me dedicar a sério protege-me de alguma coisa.

Do quê? Essa é a pergunta. Vou responder ;)

Se também tens dificuldade em tomar decisões, responde também.

Outra pergunta boa é: Que decisões tenho que tomar agora?

Beijinhos,

Lena*

P.S. Agora tens menos de 24 horas para entrar!!! Vais-te juntar a nós?!

Cria o Que Desejas – Vive a Vida que Imaginaste

Há certos momentos na vida, eu não tenho que te dizer, em que nos dão um conjunto de cartas que nos atiram contra a parede, para uma posição de não podermos mais evitar honrar a nossa verdade.

A uma dada altura, tem que haver uma linha na areia.

Tu sabes que é essa altura.

Faz com que fazer upgrade seja o teu novo normal. 

E vê a tua vida melhorar para se manter ao teu nível.

Diz sim à tua intuição e junta-te a mim agora.

VIVE A VIDA QUE IMAGINASTE

Começamos Na segunda-feira e o pre-work já está disponível!

Ainda podes entrar!! As portas fecham hoje há meia noite :)

Cria o Que Desejas – Vive a Vida que Imaginaste

Capítulo Gratuito

Unnamed

Recebe o capítulo gratuito "10 Regras de Styling para Criar Conjuntos Espetaculares" do meu e-book de estilo

Powered by ConvertKit
Author

Write A Comment